Login

Fechar

Esqueceu a senha?

Fechar

13 JULHO 2018 00:00 Cultura
  • Compartilhe

Dia do Rock: confira e ouça 10 bandas que nasceram no ES

Na lista, estão bandas como The Muddy Brothers, Frenesia, My Magical Glowing Lens e The Truckers. Confira!

Por: Isabella Mariano

rock

Aqui no Espírito Santo, todo fim de semana é dia de rock e, para alguns, pode ser até todo dia. Isso porque, para os capixabas, ir para rock é ir para a festa, para a balada, para o barzinho. Enfim, é sair para curtir. Mas o outro rock, o ritmo musical de raízes norte-americanas, tem sua própria data de celebração. No Brasil e em diversas partes do mundo, o dia 13 de julho é reconhecido como o Dia Mundial do Rock.

Leia também:
Curiosidades do ES: Capixaba não vai pra balada, vai pro rock!

Foi nessa data que aconteceu o megaevento beneficente Live Aid que contou com shows de Queen, Mick Jagger, Keith Richards, Ronnie Wood, Elton John, Paul McCartney, David Bowie, U2, entre outros. Phill Collins, durante seu show, pediu que aquele dia fosse considerado como o dia mundial do rock. O evento estava sendo exibido em diversos países, tendo sido uma das maiores transmissões em larga escala por satélite e de televisão de todos os tempos. Por isso, a ideia logo pegou e hoje a data é celebrada em diferentes pontos do globo.

Desde sua origem, nos idos dos anos 1950, o rock já se multiplicou em centenas de subgêneros como o rockabilly, o punk rock, o heavy metal, o new wave e muitos outros. Para marcar esse dia especial, o Sou ES preparou uma lista com indicação de 10 bandas autorais que produzem sua música no Espírito Santo – ou se formaram originalmente aqui. Confira nossas dicas e dê o play:

1. Dead Fish (hardcore)
Com sete discos lançados, Dead Fish é hoje uma das mais importantes referências para o hardcore nacional. Atualmente, a formação do grupo conta com Rodrigo Lima, no vocal; Allyand, no baixo; Marcos, na bateria; e Rick, na guitarra. Apesar de não gostarem da colocação, não há como fugir: o grupo é influência para muitas bandas que estão começando no cenário hardcore brasileiro.

Em 1998, a banda lançou pelo selo capixaba Läjä Records o “Sirva-se”, seu primeiro álbum de estúdio. Canções de protesto e letras com algum engajamento político são marcas do som do grupo desde seu disco de estreia. Exemplos disso são as músicas “Anarquia Corporation” e “Molotov”, que marcam a memória dos fãs até hoje.

2. The Muddy Brothers (blues rock)
Em 2012, em Vila Velha, três amigos se juntaram e decidiram formar uma banda. Na mesa do bar, a conversa era para decidir o nome do futuro grupo que misturaria elementos do rock e do blues americano. Pensaram em uma série de nomes, até decidirem fazer uma homenagem ao “pai do chicago blues”, o músico Muddy Waters. Do trio, dois são irmãos, então não restaram dúvidas: a nova banda iria se chamar The Muddy Brothers.

Com João Lucas no vocal e na gaita, Will Just, na guitarra e no violão, e Renato Just na bateria, a banda já tem dois discos e um EP lançados. O disco “Handmade” foi lançado de forma independente em 2013; o EP “Seasick” saiu em 2014 e foi gravado no Red Bull Station como parte do prêmio do concurso Rock On Top; e, por fim, “Facing the Sky”, lançado em 2016, foi produzido pela própria banda e gravado no Sabotage Studio, em Linhares.

3. Zé Maholics (groove rock)
Devotos do groove e amantes da criação, a banda Zé Maholics nasceu da liberdade experimentada em jams, isto é, em sessões improvisadas, entre amigos. O grupo apostou no autoral e, em 2017, lançou seu primeiro disco com seis faixas, que está completamente disponível em seu canal no YouTube. Sua atual formação conta com Vinicius Braga no vocal, Guilherme Bozi na guitarra, Guilherme Schwartz no baixo e Enzo Toniato na bateria. Atualmente, os músicos estão trabalhando na pré-produção do próximo álbum, que receberá o nome de “Macaco Politizado”.

4. Big Bat Blues Banda (blues rock)
A Big Bat Blues Band está no cenário musical desde os anos 90, onde se menteve ativa por todos esses anos. Seu estilo é o blues tradicional com algumas pitadas de elementos do rock. Atualmente, é formada por Eugênio Goulart (voz), Cláudio França (guitarra), Erikson Almeida (guitarra), Vaner Simonassi (bateria), Paulo Sodré (Baixo Acústico) e Larissa Pacheco (backing vocal). Com mais de 20 anos de carreira, o grupo possui três álbuns em sua discografia.

O mais recente, chamado “#3”, foi lançado em 2014 durante o Festival de Jazz e Blues de Manguinhos. Já o “Haze Hot Blues”, de 2012, teve seu lançamento realizado no Festival de Jazz e Blues de Rio das Ostras. O primeiro disco da banda, chamado “Todo Dia é Dia de Blues”, veio a público em 2006.

5. Frenesia (funk rock)
A banda Frenesia foi oficialmente fundada em 2013, porém é resultado da trajetória da banda James que surgiu em 2006, em Vitória. A formação atual conta com Gustavo Altoé no vocal, Eduardo Nascimento no baixo, Henrique Wilman na guitarra, e Caue Correa na bateria. Suas músicas denotam certa influência do funk rock da banda norte-americana Red Hot Chilli Peppers. Mas as referências musicais passam, também, por bandas como Rage Against the Machine, Metallica, Tool, T.M. Stevens, Michael Jackson, Ministry e Funkadelic.

Focados em um trabalho mais autoral, em 2013, os meninos da Frenesia lançaram o EP “Bolado”, com cinco faixas gravadas e produzidas em Vitória. Atualmente, estão em fase de pré-produção do novo disco que contará 11 músicas inéditas.

6. My Magical Glowing Lens (rock psicodélico)
Essa dica é para quem ama um rock psicodélico no estilo Tame Impala. Nascida em 2013, My Magical Glowing Lens é mais do que uma banda, é um projeto que nasceu em Colatina por iniciativa da multi-instrumentista Gabriela Deptulski. Sozinha, ela gravou, tocou, mixou e produziu o primeiro EP da MMGL. Nessa época ela se apresentava acompanhada apenas de sua guitarra e notebook.

No início de 2015, o projetou ganhou outras proporções e passou a se apresentar ao vivo como banda, com Gabi no vocal e na guitarra, junto a sintetizador, bateria e baixo. Recentemente, a banda realizou uma turnê que passou por 13 cidades do Brasil. Em maio de 2017, o projeto lançou seu primeiro álbum, chamado “Cosmos”, com 11 músicas autorais. O disco está disponível gratuitamente no Spotify e em outras plataformas digitais.

7. Blackslug (stoner rock)
Formada em 2013, a Blackslug nasceu em Vitória, já com foco na produção de música autoral. Ela conta com Leonardo Machado no vocal e na guitarra, Paulo Emmerich também no vocal e na guitarra, Luiz Magnago no baixo e no vocal, e Hugo Ali na batetria. Em agosto do mesmo ano, a banda produziu seu primeiro EP, intitulado “Unsober”, lançado sob a forma de split-EP junto ao “Stolen”, da Broken & Burnt.

Em 2014, veio a produção do primeiro álbum do grupo que foi gravado e lançado de forma independente, em parceria com a Voadora Records/Studios, com o nome de “Scumbag Messiah”. Recentemente, em março de 2018, o grupo lançou o EP “Old Habits Die Hard”, com três faixas autorais e inéditas. O disco está disponível em diversas plataformas digitais de forma gratuita. Sua sonoridade flerta com o stoner rock, dialogando assim com o metal, o grunge e o punk.

8. Colt Cobra (blues punk)
Nascida em Vila Velha, a banda de blues punk Colt Cobra foi oficialmente fundada em 2013. Em 2014, o grupo lançou seu primeiro EP, intitulado “Blues Punk”, com quatro músicas autorais. Atualmente, é formada por Alexandre Brunoro (baixo e vocal), Rafael Almeida (guitarra) e Fancisco Wyatt (bateria). Juntos, decidiram unir o gosto musical para homenagear o blues garage punk dos anos 60.

Em março de 2017, a banda lançou o disco “Raw Trash Blues”, com 14 faixas inéditas e autorais. O álbum foi gravado, mixado e masterizado por André Nucci, no Estúdio Comanche em Vila Velha. Todas as músicas da Colt Cobra podem ser ouvidas gratuitamente pelo site coltcobra.bandcamp.com.

9. The Truckers (punk rock)
Fundada em 2017 em Vila Velha, a banda de punk rock The Truckers é formada por Lara Lorenzoni na guitarra e no vocal, Luana Soares no baixo e no vocal, e Mylena Kobi na bateria. Seu primeiro EP, intitulado “Siga Bem Caminhoneira”, foi lançado com ajuda de um financiamento coletivo, por meio do qual o grupo arrecadou mais de mil reais.

Com cinco músicas autorais, o disco foi gravado por André Nucci, no Estúdio Comanche em Vila Velha. A sonoridade da banda dialoga ainda com hardcore e o pop punk e suas letras abordam temas políticos e feministas.

10. RiffbilleR (rockabilly)
A banda RiffbilleR foi oficialmente fundada em 2016, porém é resultado da trajetória da antiga Old School, que surgiu em 2006, em Vila Velha. O trio, formado por Kinho Sucupira (vocal e guitarra), Fabrício Bicudo (baixo) e Davison Borges (bateria), lançou seu primeiro disco há dois anos. Intitulado “Vila Velha Democracy”, o álbum conta com 13 músicas autorais das quais se destacam a “Vila Velha Mississipi Blues” e “Down the Road”, representando bem a paixão dos músicos pelo rockabilly.

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Comentar

* = Preenchimento obrigatório