Login

Fechar

Esqueceu a senha?

Fechar

 

01 NOVEMBRO 2013 - 10:30 - Cultura
  • Compartilhe
  • Twitter

A lenda na ficção real

Meninos do Arco-Íris será exibido na noite desta sexta-feira, na Mostra Quatro Estações do Festival de Vitória

Por: Acácio Rodrigues

VITORIA_CINE_VIDEO_SELO_SOU_ESVocê com certeza já ouviu histórias e mitos quando aparece um arco-íris. O pote de ouro faz parte das animações infantis, por exemplo. Mas outra lenda que se conta é a da mudança de sexo ao passar por baixo do fenômeno óptico de várias cores. O livro Faca Sem Ponta, da autora Ruth Rocha, conta a história infantil de Pedro e Joana (clique na frase e leia). O publicitário Herbert Pablo narra histórias reais a partir de uma ficção no curta-metragem Meninos do Arco-Íris, que será exibido na noite desta sexta-feira na Mostra Quatro Estações, no Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo.

Meninos do Arco-Íris

Confira a programação completa do Festival de Vitória - 20º Vitória Cine Vídeo!

Se você acha o livro mencionado no primeiro parágrafo é uma boa criação da autora Ruth Rocha, não faz ideia do arco-íris da vida real. Herbert vive próximo a ele, ou pelo menos vivia, pois ele deixou de existir perto da casa dele. Vamos entender o ponto de partida para chegarmos à essa parte da história do filme dirigido pelo publicitário.

“A ideia veio dessa ‘lenda’ de que se você passar debaixo do arco-íris, muda de sexo. Entre os italianos essa é uma brincadeira comum. Meu avô, por exemplo, fazia essa brincadeira. Daí eu usei essa história e inseri os personagens reais,” revelou.

“Cerca de 5 anos atrás, o programa de operações transexuais veio para o Hospital das Clínicas em Maruípe (bairro de Vitória), onde fui criado. Esse programa acabou, e só tem uma pessoa que é porta-bandeira transexual do Estado, a Deborah Sabara. Era ali no hospital que existia o arco-íris (risos),” conta o diretor do curta.

Mostra Quatro Estações acontece hoje no VCV

O curta de Herbert Pablo se inicia com Anita, uma menina que tem o desejo de se tornar menino. É a passagem para a realidade, onde o diretor mostra histórias da vida real, e mescla a linguagem fictícia com a documental. “A linguagem do documentário brasileiro é muito híbrida. A parte documental foi feita em estúdio, e eu precisava de algo novo. Busco algo diferente, senão eu faria um jornal,” contou.

E nada melhor do que estrear “em casa”. “Está sendo fantástico. Fui o primeiro projetista da Estação Porto, estou muito feliz com essa coincidência. Eu estou muito feliz pela oportunidade de estrear meu filme por lá,” finalizou.

Mostra Quatro Estações

A Mostra Quatro Estações exibe as produções com temáticas LGBT. Essa é a segunda vez que a sessão é competitiva. Apenas a primeira edição estava fora da disputa. A diversidade sexual é discutida em seis produções que vão ser exibidos na Estação Porto após a meia-noite de hoje para amanhã. O vencedor leva o Troféu Marlene.

O Pacote

III Mostra Quatro Estações – Festival de Vitória – 20º Vitória Cine Vídeo

SEXTA-FEIRA (01/11), meia noite - no espaço Estação Porto – Centro de Vitória

ENTRADA FRANCA

Olympias (Documentário, 11 min., RJ), de Bia Medeiros. As Olympias de Fernando Codeço são as travestis do bairro da Glória, Rio de Janeiro. O projeto é feito em referência à obra Olympia (1863), de Édouard Manet, que retrata uma prostituta. Fernando desenha as travestis e realiza performances nas ruas do bairro.

Meninos do Arco-Íris (Documentário, 22 min., ES), de Herbert Pablo e Lamartine Netto. Anita é uma menina que mora numa ilha repleta de passagens para mundos secretos. Ao encontrar a porta que a levará ao Arco Íris – universo mágico habitado por sete seres encantados – Anita realizará seu desejo de se transformar em menino?

Algumas Mortes (Ficção, 10 min., SP ), de Lucas Camargo de Barros. "Filho, senti você muito ansioso no domingo, saiba esperar o tempo das coisas. Durma mais, fume menos e controle melhor os seus gastos. Se cuide. Te amo."

O Pacote (Ficção, 18 min., SP), de Rafael Aidar. Em um bairro periférico de São Paulo, o jovem Leandro ingressa como aluno em uma nova escola. Na classe, conhece Jefferson, que lhe apresenta sua nova turma de amigos. Com o passar dos dias, os dois rapazes se identificam e ganham intimidade, até decidirem ficar juntos. A relação é posta em prova quando Jeff revela que é HIV positivo.

Tubarão (Documentário, 13 min., PE), de Leo Tabosa. As dificuldades de um estrangeiro em adaptar-se a sua nova realidade.

Tomada Única (Experimental, 24 min., SP), filme coletivo com os episódios "Mata Adentro", de Claudia Priscilla, Hilton Lacerda e Rodrigo Bueno; "O Sangue de Jesus Tem Dendê", de Daniel Lisboa; "Falos e Badalos", de Anita Rocha da Silveira; "Y", de Dácio Pinheiro e Stefan Fähler; "Sem Título", de Nino Cais; "Amor e Outras Construções ou Uma Boca/Que Abarcasse/Tanto C*", de Gustavo Vinagre; "Delete Deleite", de Karen Black e Ana Izabel Aguiar e "Lagoa Remix", de Leonardo Mouramateus. Diretores e artistas receberam um email com alguns filmes do Cinema do Desbunde dos anos 70 e um cartucho de super-8 para produzirem um filme em Tomada Única. Uma resposta de hoje a um passado idílico do corpo no cinema.  [fora de competição]

Comentários

Nenhum comentário ainda.

Comentar

* = Preenchimento obrigatório